O melhor do esporte é aqui !

CURTA A FANPAGE NO FACEBOOK

sábado, 26 de novembro de 2016

Corinthians para na retranca do Furacão e fica longe da Libertadores

Tomás Rosolino São PauloSP

Corinthians não passou da defesa atleticana (Foto: Fernando Dantas/ Gazeta Press)
Corinthians não passou da defesa atleticana (Foto: Fernando Dantas/ Gazeta Press)

O Corinthians tinha na noite deste sábado uma chance de ouro para encaminhar sua vaga na Copa Libertadores da América do ano que vem, mas a trave, o goleiro Weverton e falta de precisão dos atacantes impediu a equipe de se aproximar do torneio continental. Errando muito e diante de um Atlético-PR claramente querendo apenas empatar, o Timão ficou no 0 a 0 no estádio de Itaquera, deixando a torcida enfurecida ao final do duelo.
Com o resultado, o time tem 55 pontos conquistados, um a menos que Furacão e Botafogo, quinto e sexto colocados, respectivamente. Dessa forma, o Alvinegro terá de vencer na última rodada, pois perde em todos os critérios de desempate, além de torcer para que um dos dois rivais não vençam suas partidas.

Na próxima rodada, a última da competição, os comandados de Oswaldo de Oliveira viajam para Belo Horizonte, local da partida contra o Cruzeiro, às 17h (de Brasília) do próximo domingo. Enquanto isso, no mesmo horário, Paulo Autuori e sua trupe encaram o Flamengo, na Arena da Baixada.
Domínio da bola é alvinegro, mas sem gols
O primeiro tempo da partida transcorreu quase que integralmente no campo de defesa do Atlético-PR, fosse nos incontáveis recuos para Weverton ou nas constantes trocas de passe do ataque corintiano. Postado com nove atletas sempre atrás da linha da bola, o Furacão deu certos espaços na intermediária, mas não deixou o time da casa entrar na área do seu goleiro com perigo durante os 45 minutos iniciais.
Em grande fase e retornando após cumprir suspensão contra o Internacional, Rodriguinho chamou a responsabilidade na armação e rodou a bola a todo momento, se livrando da marcação de Otávio na maioria dos lances. O problema para ele foi que Marquinhos Gabriel, dono de grande atuação na segunda-feira, retomou seu ritmo habitual do Timão e não conseguiu criar perigo pelo lado direito.
Dentre muitos escanteios e bolas alçadas na área atleticana, a grande chance da etapa veio só aos 38 minutos de bola rolando, quando Rodriguinho recebeu em velocidade no meio-campo e conduziu até a entrada da área. A zaga recuou e deu espaço para ele arriscar da entrada da área, acertando um chute forte. A bola foi na direção do ângulo esquerdo, mas explodiu na trave. No rebote, com Weverton batido, Romero não conseguiu cabecear com precisão e perdeu outra boa oportunidade.
Ainda antes do intervalo, o Timão teve mais uma chance de marcar, mas esbarrou na falta de qualidade e confiança do seu ataque. Fagner aproveitou escanteio e recebeu no campo de ataque após desarme de Camacho, pegando a defesa adversária desprevinida. O lateral cruzou rasteiro na primeira trave e Romero, livre, furou. Logo atrás, Marquinhos Gabriel tentou de canhota, sem sucesso, vendo a bola passar para a linha de fundo.
Atlético segura o empate
O segundo tempo podia ter começado praticamente resolvido para o Corinthians, mas o Alvinegro não conseguiu mostrar poder decisão para aproveitar a superioridade técnica. Logo aos 11 minutos, Fagner recuperou bola na lateral direita da área e cruzou rasteiro para trás. Cristian pegou de primeira e Weverton fez boa defesa. No rebote, Marlone, completamente livre de marcação, chutou por cima do gol.
O Atlético manteve seu jogo de posse de bola no campo de defesa, sem deixar o Corinthians jogar em nenhum momento e retardando ao máximo os lances. Oswaldo de Oliveira tentou mudar um pouco o ritmo da equipe com a entrada de Lucca no lugar de Romero, mas nada mudou. Marquinhos Gabriel, pela direita, continuou a ser o pior jogador do Corinthians, não conseguindo dar continuidade às jogadas.
O treinador continuou tentando mudar, mandou ao gramado Giovanni Augusto no lugar de Cristian e Gustavo na vaga de Marquinhos, mas nada parecia ser capaz de mudar o destino da partida. Até o apito final do árbitro Leandro Vuaden, a melhor chance de gol foi do atacante João Pedro, do Furacão. Em uma das poucas vezes nas quais o time paranaense passou do meio-campo, ele chutou forte da entrada da área, provocando boa defesa de Walter.
Na base da vontade, o Timão martelou, jogou bolas na área e quase conseguiu uma falta no último lance, mas Vuaden ignorou uma tesoura de Thiago Heleno em Lucca. Logo na sequência, o árbitro determinou o final da partida, dando início às vaias no estádio de Itaquera.
FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 0 X 0 ATLÉTICO-PR
Local: estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 26 de novembro de 2016, sábado
Horário: 21h (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Elio Nepomuceno de Andrade Júnior e Lucio Beiersdorf Flor (ambos do RS)
Público: 24.701 pagantes
Renda: R$ 1.291.293,00
Cartões amarelos: Rodriguinho, Vilson (Corinthians); Lucho González, Thiago Heleno (Atlético-PR)
CORINTHIANS: Walter; Fagner, Vilson, Balbuena e Uendel; Cristian (Giovanni Augusto), Marquinhos Gabriel (Gustavo), Camacho, Rodriguinho e Marlone; Romero (Lucca)
Técnico: Oswaldo de Oliveira

ATLÉTICO-PR: Weverton; Léo, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Hernani (Matheus Rosseto), Lucas Fernandes (Nikão), Lucho González (João Pedro) e Pablo; André Lima
Técnico: Paulo Autuori
Postar um comentário