O melhor do esporte é aqui !

CURTA A FANPAGE NO FACEBOOK

quarta-feira, 15 de março de 2017

Análise: raça, entrosamento, catimba... E não é que o Botafogo está copeiro? Em seu desafio mais difícil até aqui na Libertadores, equipe de Jair Ventura supera o Estudiantes com forte jogo coletivo e mostra ser candidata à vaga em grupo da morte

Por Rio de Janeiro
Para quem não acreditava que o Botafogo fosse capaz de chegar onde está hoje, está difícil duvidar de uma possível classificação no grupo da morte da Libertadores. O Alvinegro pegou no sorteio o caminho mais árduo de todos, a começar por dois campeões do torneio no mata-mata da fase prévia – Colo-Colo, do Chile, e Olimpia, do Paraguai. Desde então, vem contrariando previsões catastróficas. Contra o tetracampeão Estudiantes, da Argentina, o time de Jair Ventura teve de longe o seu desafio mais complicado até agora: ferrolho, especialistas em contra-ataques, a tradicional catimba hermana... Mas soube superar tudo isso para fazer 2 a 1 e sair com moral do Nilton Santos para os próximos jogos fora de casa.
A equipe volta a campo pela Libertadores só no dia 13 de abril, contra o atual campeão Atlético-Nacional, da Colômbia. Uma semana depois, visita o Barcelona de Guayaquil, do Equador. Duas pedreiras pela frente, mas esse Alvinegro não sabe o que é isso. O fator sorte que o colocou no trajeto mais difícil também é o mesmo que deu bagagem ao time para crescer. E se reza a lenda que para conquistar a Libertadores deve ser copeiro – no jargão do futebol, que sabe amarrar o jogo, controlar o adversário e vencer mesmo sem dar espetáculo –, o sonho do título inédito está vivo. Não é que o desacreditado Botafogo para muitos também aprendeu a ser assim?
Botafogo, Estudiantes, árbitro (Foto: CELSO PUPO/ESTADÃO CONTEÚD)Confusão, peitada, cara feia... Botafogo não caiu na pilha do Estudiantes (Foto: CELSO PUPO / ESTADÃO CONTEÚDO)
Contra o Estudiantes sobrou raça. A entrega dos jogadores ao padrão tático de Jair impressiona a quem vê. O que não é de hoje, diga-se de passagem. Vem desde o ano passado, mas nesses jogos da Libertadores a torcida virou um combustível a mais para os atletas. Principalmente nas partidas como mandante e seus grandes públicos no Nilton Santos. Na última terça-feira, os 30 mil alvinegros presentes empurravam o time, que correspondia em campo com vontade de sobra: os piques de Rodrigo Pimpão, os carrinhos precisos de Bruno Silva, os chutões para o alto do capitão Carli... A cada cena como essas os torcedores iam ao delírio.
Além disso, com sete dos 11 jogadores entre os titulares remanescentes do ano passado, o Botafogo sai na frente no quesito entrosamento em relação a maior parte dos adversários. Ainda não foi dessa vez que Montillo e Camilo se entenderam a ponto de potencializar o setor de criação. Mas a força do time é o coletivo, e aí as individualidades aparecem: o improvisado Marcelo com o cruzamento do primeiro gol; Roger e sua bela bicicleta; Bruno Silva e seu leão de estimação na marcação; Carli e seu reinado nas bolas aéreas... Um facilitador para isso é que o time conseguiu evoluir na parte física e correr intensamente os 90 minutos.
mapa calor, Bruno Silva, Pimpão, Botafogo, Estudiantes (Foto: Footstats)Mapa de calor de Bruno Silva (esq.) e Pimpão (dir.): jogadores correram muito diante do Estudiantes (Foto: Footstats)
O Botafogo apresentou tudo isso e, por que não, um pouco de catimba também, quando julgou necessário. O jeito de falar com os árbitros (tarefa dada a Carli e seu espanhol fluente); de deixar o corpo em divididas para cavar certas faltas; de demorar um pouco mais para cobrar uma infração e assim ganhar tempo... Faz parte do jogo psicológico. Até mesmo Airton, pasmem os senhores, não caiu na provocação ao ser empurrado por Ascacíbar. Revides estão proibidos, já as encaradas foram liberadas. A cada carrinho ou dividida mais forte, um alvinegro "peitava" o adversário ao estilo pesagem de UFC. O Botafogo versão 2017 não tem medo de cara feia. 
O Botafogo se reapresenta na tarde desta quarta-feira, às 16h (de Brasília), no Nilton Santos, e vira o foco agora para o Campeonato Carioca. O Alvinegro tem dois clássicos pela frente na Taça Rio para se recuperar no estadual após ter ficado fora das finais da Taça Guanabara: a equipe encara o Vasco neste domingo, às 18h30 (de Brasília), no Nilton Santos, e na quinta-feira da semana que vem enfrenta o Fluminense, às 18h, em jogo que pode acontecer no Maracanã
Postar um comentário